segunda-feira, 13 de julho de 2015

Olha no centro da imagem em cima por 30 segundos e depois olha a "noite estrelada" de vincent van gogh tomar vida


Artista termina desenhos da filha de 2 anos e os transforma em belas pinturas

Postagem de :http://www.tudointeressante.com.br

Durante o período de gravidez, Ruth Oosterman, teve uma espécie de bloqueio de criatividade e não era capaz de criar nada. Mas tudo mudou quando sua filha completou 2 anos de idade…
Hoje, a então “responsável” pela falta de produtividade de sua mãe, virou sua maior fonte de inspiração. Ruth diz que sua filha faz os próprios desenhos sem nenhum tipo de auxílio ou instrução e, em seguida, movida pela imaginação da pequena garota, transforma esses desenhos em obras incríveis:
artista-colaboracao-filha-1
artista-colaboracao-filha-2
artista-colaboracao-filha-3
artista-colaboracao-filha-4
artista-colaboracao-filha-5
artista-colaboracao-filha-6

quinta-feira, 2 de julho de 2015

O que é arteterapia e como ela se insere na psiquiatria?

Publicado em  por 
https://espacosentido.wordpress.com/


A arteterapia é uma técnica que utiliza linguagens artísticas, linguagens das representações simbólicas e da criatividade como forma de se auxiliar o paciente a se expressar e como ferramenta terapêutica. Rudolph Arnheim, figura importante no mundo das artes disse que  “A capacidade inata de compreender através dos olhos está adormecida e deve ser despertada.“ Isso porque na nossa sociedade priorizamos a fala como método expressivo e acabamos nos esquecendo que existem outros canais de contato, reduzindo o homem a aquilo que as palavras permitem dizer.
A arteterapia então está baseada na ideia de que ao explorar canais expressivos pouco utilizados pelo homem é possível despertar facetas adormecidas do indivíduo, ampliando seu repertório e possibilitando novas estratégias de enfrentamento, além de permitir um olhar mais ampliado da relação do paciente com a sua patologia, facilitando a adaptação e reinserção social.
As neurociências, a partir de seus estudos sobre o funcionamento cerebral, têm demonstrado que a expressão através da arte e os produtos criados através dessa linguagem envolvem níveis motores, somatossensoriais, visual, emocional e aspectos cognitivos de processamento de informação com a ativação dos correspondentes processos neurofisiológicos e estruturas cerebrais. Tais achados demonstram a grande potencialidade desse recurso em tratamentos de patologias que envolvem a neurobiologia.
Munida desse conhecimento, a arteterapia trabalha estimulando a integração funcional dos diversos níveis segmentares do sistema nervoso, porque as atividades envolvem desde o planejamento de um projeto, até a sua organização e execução, passando por avaliações dos sentimentos, das percepções e da qualidade do contato entre terapeuta e paciente.
As pesquisas apontam que a expressão de sentimentos pela via da arte, que tem o potencial de os concretizar em imagens, formas, cores ou gestos, e a vivência de situações que na vida cotidiana são usualmente reprimidas e censuradas propicia conexões neuronais semelhantes as que acontecem se a pessoa viver de fato a situação, ou seja: experimentar na arte é semelhante a experimentar na vida.
Por ser uma ciência nova, nascida por volta de 1940, tão nova quanto a conquista tecnológica dos exames de imagem funcional do cérebro, ainda não existem muito estudos científicos específicos que demonstrem, de maneira concreta, a sua efetividade nas psicopatologias, sendo o artigo EXPLORATORY RCT OF ART THERAPY AS AN ADJUNCTIVE TREATMENT IN SCHIZOPHRENIA, referente a um ensaio clínico randomizado controlado, publicado no Journal of Mental Health de 2007 a mais importante evidencia científica da área.  Nele, dois grupos foram avaliados, um com tratamento psiquiátrico padrão e outro com tratamento psiquiátrico padrão mais arteterapia por 12 semanas, com sessões grupais semanais. Foram aplicadas escalas para avaliação dos sintomas negativos antes e depois desse período observando-se que 45% dos indivíduos do grupo com arteterapia apresentaram redução estatisticamente significante dos sintomas negativos no final do período de intervenção e mantiveram estes resultados numa reavaliação após 6 meses.
Uma evidencia bastante animadora, mas ainda incipiente para afirmar que a arteterapia melhora os sintomas negativos. Outras pesquisas estão em andamento.
Ao mesmo tempo, na minha prática clínica observo que a arteterapia, além de melhorar os sintomas dos pacientes psiquiátricos, fato este que corrobora os achados do estudo, é também uma ferramenta interessante de diagnóstico psíquico, uma vez que facilita o contato do paciente e do terapeuta aos conteúdos psicodinâmicos do adoecer e permite trabalhar através do simbólico as possibilidades de enfrentamento e significação, oferecendo ao médico psiquiatra mais uma ferramenta de trabalho e mais uma via de contato, fator valioso para essa área da medicina que trabalha primordialmente com a observação, contato e relato do paciente e de seus familiares para construir os diagnósticos.

Texto escrito por  e publicado no boletim eletrônico da PAX Clínica Psiquiátrica do mês de setembro.

10 curiosidades sobre o desenho do seu filho

Desenho de criança é mais do que um monte de riscos: é uma forma de expressão. Veja 10 fatos curiosos que ajudam a entender o que ela anda rabiscando - 

Postado por :http://www.paisefilhos.com.br/crianca/10-curiosidades-sobre-o-desenho-do-seu-filho/Redação   

Redação Pais&FilhosPais&Filhos 


Quando uma criança recebe (ou pega!) nas mãos uma canetinha e uma folha de papel, a gente já sabe o que vem depois: uma verdadeira arte. No papel, na mesa, na parede, nas mãos… e isso é ótimo!

Separamos uma lista de coisas que você talvez ainda não sabe sobre os desenhos do seu filho:

1. Desenhar é contar uma história. “Quando uma criança desenha ou pinta, não está em questão o julgamento estético de arte. O que se tem ali é uma criança contando sua história particular, única”, diz a arte-educadora Luiza Olivetto, mãe de Homero. Até a Pais&Filhos TV entrou na dança: pediu pra que uma turma toda criativa de crianças desenhassem como imaginavam uma das histórias engraçadas de criança que recebemos. Essa arte virou uma série de desenhos animados super fofa. O último episódio que estreou no canal pode ser visto clicando aqui.
 2. Na hora de desenhar, não existem regras. A gente fica meio preso mesmo: é a sujeira, é o desenho que está esquisito ou sem sentido… A notícia é: isso é ótimo para o desenvolvimento dela.
3. Não existe desenho feio. O certo, o erro, o bonito ou o feio são palavras que não existem no universo da imaginação infantil. Mesmo que o desenho não faça sentido nenhum, não faça críticas, isso só vai bloqueá-lo. O ideal é pedir para que a criança fale sobre o seu trabalho, conte o que criou, por que usou aquelas cores etc.
4. O desenho faz a criança conhecer os próprios sentimentos. É através dele que ela coloca pra fora suas percepções de mundo, suas sensações. E isso elas fazem muito melhor do que nós, adultos, que estamos mais preocupados com o resultado e com a forma do que com o processo em si.
5. Antes dos 3 anos, a criança só rabisca mesmo. São as chamadas garatujas, que começam com formas retas e depois ganham contornos circulares. Mesmo esses formatos estranhos são uma forma de comunicação da criança. É como ela enxerga seu mundo e consegue expressá-lo.
6. A partir dessa idade, ela quer mostrar seus rabiscos. Por ter mais noção de coletivo no lugar da indiviualidade, ela vai perceber que pode oferecer algo ao outro. E aí os “olha, mãe”, “olha, pai” passam a ser frequentes.
7. O tamanho do desenho diz muito sobre a criança. “Crianças que desenham tudo pequeno são mais retraídas, introvertidas, chamam menos a atenção, ou são mais reprimidas. As que ocupam espaço maior são mais expansivas, mais soltas, se sentem mais livres”, exemplifica a arteterapeuta Mônica Guttman, mãe de Suzana e Laszlo. As cores e a força no papel também podem dar indícios do momento emocional em que ela está vivendo.
8. Desenhos prontos para colorir ou livre expressão? Tanto faz. Para a maioria dos especialistas, isso não é arte, já que não permite a criação livre, com as impressões pessoais de cada criança. Já a arte-educadora Camila Di Giacomo, mãe de Ian e Lorenzo, e dona do Ateliê Sucatinha de Luxo, acha que tudo bem. “Mostrar referências e obras de artistas às crianças pode ser muito rico”, diz.
9. Desenhar faz bem para o desenvolvimento motor. E também para a criatividade, para a percepção e, claro, no processo dos pais conhecer melhor opróprio  filho.
10. Estimular é legal. Uma dica bacana é fazer uma “exposição de arte” das obras da criança para toda a família. Essa é uma forma de valorizar a arte do seu filho, além de ser ótimo para a autoestima e desenvolvimento dele. Não é assim que a gente faz quando gosta de um quadro e quer emoldurá-lo, por exemplo?
- See more at: http://www.paisefilhos.com.br/crianca/10-curiosidades-sobre-o-desenho-do-seu-filho/#sthash.3pWiUmgN.hlcZXGg4.dpuf

AVISO


Nem todas as imagens no blog são de minha autoria, se uma delas for sua e não quiser que eu a use, entre em contato que coloco os devidos créditos ou retiro.