segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

“ A educação através da arte é a que melhor permite a exteriorização das emoções e sentimentos e a sublimação dos instintos. Para esclarecer o seu efeito, poderia dizer-se como em psicoterapia: é melhor fazer que pensar; é melhor falar que fazer. Ou dito de outra forma: é melhor exprimir as emoções do que retê-las e inibi-las.”
João dos Santos em “Fundamentos psicológicos da Educação pela Arte

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A criança toda especial que o céu mandou Edna Massimilla





  Uma reunião ocorreu muito longe da Terra:

         “Está na hora de mais uma criança nascer”.

         Assim falaram os Anjos ao Senhor lá em cima,

         “Esta criança especial muito carinho precisará ter”.



         Ela poderá não correr, nem rir, nem brincar,

         Seu pensamento poderá parecer muito ausente,

         De muitos modos não conseguirá adaptar-se,

         Sempre será conhecida como Deficiente...



         Vamos ter cuidado,  pois, para onde iremos mandá-la,

         Pois queremos sua vida repleta de alegria.

         Por favor, ó Deus, aqueles pais encontrai,

         Que possa executar essa tarefa especial para Vós...



         Não irão se dar conta esses pais, de imediato

         Do papel destacado que lhes foi pedido exercer;

         Porém, com esta criança que de cima lhes mandam,

         A fé será mais forte, o amor vai florescer...



         Logo compreenderão o privilégio que lhes foi dado,

         De cuidar, com desvelo, do presente do Céu.

         Dessa carga preciosa, tão humilde e tão frágil,

         A criança muito especial que é do Céu!



Mensagem de Natal

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Arteterapia Junguiana /Por Ana Elizabeth Castelo Branco Rabelo


    “A vida do artista não poderia deixar de ser cheia de conflitos, porque duas forças estão em guerra dentro dele - por um lado, o anseio natural do homem por felicidade, satisfação e segurança, e por outro lado uma paixão cruel pela criação, capaz de ir tão longe a um ponto de anular qualquer desejo pessoal... Quase não há exceções à regra de que uma pessoa deve pagar caro pelo divino dom do fogo criativo”   Carl G. Jung

        Jung usava a linguagem artística como parte do tratamento
       psicoterápico. Ele fazia um intercâmbio entre as expressões 
       artísticas e a verbalização do paciente. Para ele os trabalhos
       realizados, refletiam o esforço do paciente em “traduzir o 
       indizível em formas visíveis”.

         Jung, em 1920 disse:  "Arte é a expressão mais pura que 
         há   para a demonstração do inconsciente de cada um. 
         É a liberdade de expressão, é sensibilidade, criatividade, é vida” 

     Ao dar livre curso às expressões das imagens internas, o ser
    humano, ao mesmo tempo em que as modela, transforma a si mesmo.
    Ao conhecer aspectos próprios, recria-se, educa-se e, sobretudo
    pode experimentar inserir-se na realidade de uma maneira nova.

        A   contribuição de Jung no campo da arte diz respeito  
       principalmente à   leitura dos símbolos e imagens que se transmutaram em             obras artísticas,  lançando alguma luz para a compreensão de seu mistério e de   seu significado  na época em que foram criadas.                                                                          
       A pintura, o desenho e toda expressão gráfica ou plástica, bem como a música, a dança, as expressões corporais e dramáticas formam um instrumental valioso para o indivíduo reorganizar sua ordem interna, para reconstruir a realidade.

       Em Arteterapia com abordagem Junguiana, a conduta é fornecer materiais expressivos diversos e adequados para a criação de símbolos presentes no universo imagético singular de cada cliente. Esse universo traduz-se em produções simbólicas que retratam estruturas psíquicas internas (inconscientes). O processo colabora para a compreensão de estados afetivos conflituados, favorecendo a estruturação e expansão da personalidade através da criação.
    O cliente precisa sentir-se livre para expressar o que emerge de seu interior. Toda expressão criativa tem sua importância no processo terapêutico, muitas vezes surgem apenas traços, manchas ou formas desconexas, mas devemos levar em consideração, pois estes também são significativos.


Texto de 
Ana Elizabeth Castelo Branco Rabelo

Psicóloga clínica, Bachelor of Phisiatric (London-England), especialização em 
Psicologia Analítica (São Francisco - SP), mestra em Ciências da Religião (PUC-SP), professora da disciplina Seminários em Carl Gustav Jung (Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública), idealizadora e professora do curso de Arteterapia Junguiana do Instituto Junguiano da Bahia (IJBA). Especialista em Arteterapia e na análise de Contos de Fadas. Atualmente pesquisa a cultura afro-brasileira e interessa-se pela pesquisa em símbolos religiosos e pela expansão da criatividade em crianças e idosos (creche e asilo). 
 http://beterabelo.blogspot.com/


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Sentimentos em imagens

Fui indicada pela amiga Neuza para um meme.Neste meme tinha que expressar em imagens coisas que me aborreciam profundamente.
Bom,comecei a escolher as imagens,mas não tive tempo de postar.
Respondo hoje ao meme de outra forma.
As imagens são da tristeza que estou sentindo por você não estar mais entre nós.
Estamos tristes amiga.Vamos sentir sua falta.

Você partiu...
Preencheremos,de nossa parte,a saudade no coração,a lembrança das horas felizes que nos proporcionou,o bem que nos fez,o que representou em nossas vidas....


Com carinho e agradecida por sua atenção e amizade.






segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Arteterapia no Currículo da Faculdade de Ciências Médicas! Universidade de Pernambuco - CONFIRA!


A equipe da O CUIDADOR homenageia a equipe de cuidadores da Universidade de Pernambuco e à direção da Faculdade por valorizar a arteterapia na formação dos profissionais de Ciências Médicas.Com certeza, tais profissionais serão mais humanos e acolhedores. Desejamos que isso se torne exemplo em todo o Brasil.
A equipe presente, formada pelos médicos Paulo Campello, Wilson Freire e Carlos Reinaldo Marques, apresentou seu trabalho no III Congresso Latinoamericano de Arteterapia em Ouro Preto/MG em 15/10/2011. Na foto, eles estão junto com Ruth (San Salvador), Marilice Costi e a coordenadora da mesa-redonda: Os Desastres e a Arteterapia. 

Confira no programa Globo Comunidade da Rede Globo do último domingo, 13/11/2011. Ali você encontra uma reportagem  abordando o Programa Arte na Medicinae a disciplina de Arteterapia, entre outras, que são parte do currículo da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco -UPE, como proposta de humanização e terapêutica na saúde.
VIVA A ARTETERAPIA NA HUMANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE SAÚDE!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Trabalhos de Lia




Out-ista 

 
O autista é diretor
De seu monólogo
Escrito na língua dos anjos
Idioma falado em
Seu mundo sutil
Onde grão de areia
                                                                                     Vira castelo
                                                                                    Sob o céu
                                                                                    Da tarde anil
                                                                                    Esses seres     
                                                                                   De tão especiais
                                                                                  Ganharam o direito
                                                                                 De habitar planos                                                                                                        
                                                                                  Mais elevados              
                                                                                  Para onde voam
                                                                                  Sem sair do chão
                                                                                  De lá a Terra fica
                                                                                  Pequena e as estrelas
                                                                                  Ao alcance da mão.        
                                                                                                            Marina Mara


"Encerrado no teu mundo
perfeito e impenetrável
onde é difícil entrar
e interpretar os sinais,
desvendar os teus mistérios,
poder contigo brincar "


"Conheces bem os seus sons
e respondes aos seus estímulos
com um sorriso rasgado
e captas as vibrações,
sabes sua linguagem,
com ele te comunicas.
A mim tu não te revelas,
sou só um simples mortal!"

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=83575#ixzz1dhdOtIma
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

TERAPIA INFANTIL ATRAVÉS DOS DESENHOS DAS CRIANÇAS


Os desenhos das crianças falam de suas experiências e preocupações

E é assim mesmo. Nada é mais real que quando se afirma que uma imagem diz mais que mil palavras. É a pura verdade. Os desenhos das crianças não só nos contam suas preferências e opções pelas formas, as cores e as características dos seus traços, mas também falam de suas experiências e preocupações. Em razão disso, a interpretação do desenho infantil é utilizada por muitos psicólogos como terapia nos tratamentos de algum problema.
Existem muitos casos de problemas que podem ser melhor identificados através dos desenhos. Como as crianças não podem – porque não sabem – explicar o que sentem, o desenho pode ser uma grande ferramenta de apoio. Casos de violência, agressividade, de abuso ou de maltrato, de temores e de pesadelos, de ansiedade, medos dependência emocional, relações familiares, etc., podem, na prática ser identificados nos desenhos das crianças.
desenhos das crianças
É lógico que para interpretá-los é necessário uma formação especializada, já que muito do que as crianças desenham também é fruto de sua imaginação e fantasia, ou uma cópia do que viu em algum livro, em algum filme, ou na televisão. Assim que todo cuidado é pouco na hora de tentar entender os desenhos das crianças.

O que dizem os desenhos das crianças

Matisse* disse que “criar é expressar o que tem dentro de si”. E é assim mesmo. Quando criamos, estamos reproduzindo nossas emoções e sentimentos. O desenho nos dá a possibilidade de conhecer a fundo a psiquê da pessoa que o fez. Os desenhos falam por si mesmos, ainda que analisá-los é necessário conhecer bem seu autor bem como o meio em que vive. As crianças que vivem conflitos de guerra, de abusos, por exemplo, podem expressar seu sofrimento e suas angústias através dos desenhos. Mas somente isso não é suficiente. Para ajudá-las a superarem esses conflitos é necessário empreender um laço de confiança com elas, escutá-las e buscar entender o que nos querem dizer através dos desenhos. 
Viktor Lowenfeld e W. Lambert Brittain, no seu livro “Desenvolvimento da capacidade criadora”, consideram o desenvolvimento artístico da criança como um processo de organização do pensamento e de representação do medo, permitindo desse modo compreender seu desenvolvimento mental. Para a criança, a arte é um meio de expressão, sua linguagem de pensamento. Nos desenhos se detalham todas as transformações que sofre a criança à medida que cresce e se desenvolve. Por essa razão, o desenho resulta num grande documento de análise e diagnóstico para os psicólogos.
* Henri-Émile-Benoît Matisse foi um pintor, desenhista e escultor francês do Fauvismo, um movimento artístico nascido em Paris por volta de 1905. Nasceu em Le Cateau-Cambrésis, na Nord-Pas-de-Calais, França em 31 de dezembro de 1869 e morreu em Cimiez subúrbio de Nice, França, em 2 de novembro de 1954.
Compartilhando artigo publicado em:http://br.guiainfantil.com/desenho-infantil/212-terapia-infantil-atraves-dos-desenhos

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Auto - Estima


A opinião que a criança tem de si mesma está intimamente relacionada com sua capacidade para a aprendizagem e com seu rendimento. O auto-conceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os outros.
Os pais atuam como espelhos, que devolvem determinadas imagens ao filho. O afeto é muito parecido com o espelho. Quando demonstro afetividade por alguém, essa pessoa torna-se meu espelho e eu me torno o dela; e refletindo um no sentimento de afeto do outro, desenvolvemos o forte vínculo do amor, essência humana, em matéria de sentimentos.
É nesta interação afetiva que desenvolvemos nossos sentimentos positiva ou negativamente e construímos a nossa auto imagem.
Se os pais estão sempre opinando a partir de uma perspectiva negativa para os filhos, e se estão sempre taxando-os de inúteis e incapazes, ou usando de zombarias e ironias, irá se formando neles uma imagem "pequena" de seu valor. E se com os amigos, na rua e na escola, repetem-se as mesmas relações, teremos uma pessoa com auto - estima baixa e baixo sentimento de auto - avaliação.


Como desenvolver a auto - estima ?


Quando a criança tem êxito no que faz - e já falamos sobre a forma de ajudá-las nesse sentido - começa a confiar em suas capacidades. E quanto mais acredita que PODE FAZER, mais consegue.
É importante ensinar à criança que ela pode fazer algumas coisas bem, e que pode ter problemas com outras coisas. E que esperamos que faça o melhor que puder.
Também é uma boa ajuda admitirmos nossos próprios erros ou fracassos. Ela precisa saber que também nós não somos perfeitos : "Sinto muito. Não devia ter gritado. Fiquei o dia todo chateado."
Para ajudá-la a criar bons sentimentos é importante elogiá-la e incentivá-la quando procura fazer alguma coisa, fazendo-a perceber que tem direito de sentir que é "IMPORTANTE", que "pode aprender", que "consegue" e que sua família lhe quer bem e a respeita. O cuidado reside em adequar as tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, como colocar o suco no copo (ainda que derrame), a roupa (mesmo do avesso), a jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, as peças do jogo, ajudar na arrumação dos seus livros, fitas de vídeo, enfim, solicitar a ajuda da criança, partilhando com ela pequenos afazeres, vale até aplausos às suas conquistas.
Portanto, estabeleça metas realistas e adequadas a idade de seu filho. Dê-lhe oportunidade de desenvolver-se sem super protegê-lo ou sem pressioná-lo, nem compará-lo com outras crianças.
Assim, ele formará um conceito positivo de si mesmo. E para desenvolver esse sentimento, estimule-o quando ele sentir que não tem condições de realizar algo. Talvez tenha de dizer-lhe : "Claro que você pode. Vamos, vou te ajudar."



Breve Relato de experiência


Certa vez, como professora da 1a série, trabalhando com crianças de 6 anos e meio e 7 anos, deparei-me com um menino que possuía imensa capacidade intelectual, forte interesse pela literatura e na época já havia lido "Os Lusiadas" (Camões), mas sua coordenação motora global ficara comprometida, apresentando dificuldade para correr, pular, jogar bola, subir em árvores; atividades comuns às crianças desta faixa etária.
Sempre que íamos ao parque da escola, seus olhos brilhavam ao ver os amigos subindo e brincando na goiabeira. Incentivei-o muitas vezes a subir e orientei-o para não temer cair, pois a árvore estava rodeada de areia do parque. Até que certo dia, subi com ele na árvore: "Vamos, eu subo com você." E brincamos juntos. Foi o início de novas experiências para ele. Em outras situações, uma palmadinha no ombro, um sorriso, uma palavra de elogio ou de incentivo de vez em quando, ajuda e muito, a desenvolver na criança sentimentos positivos.
Mas é importante que o elogio seja merecido. Ela sabe quando é sincero. E se for falso, isso fará com que não tente mais! É melhor elogiar o que fez, do que elogiá-la diretamente. "Nossa, que quarto arrumadinho!"... "Gostei de ver como você foi educada com a mãe do Dudu." A criança precisa sentir-se satisfeita consigo mesma paraaprender e para alidar os seus sentimentos.


Considerações importantes a respeito do desenvolvimento da


Auto - estima...


A teoria de Piaget é ao mesmo tempo compreensiva e útil a todos. Ela oferece uma forma alternativa de se compreender o comporta- mento e o desenvolvimento humano, para aqueles interessados em educação e psicologia.
Não há leis ou fórmulas como na Física ou na Química, mas usar as teorias como recurso pedagógico e educativo e nos leva a descobrir aquelas que são mais úteis à formação da personalidade, que é de grande importância para todos nós, educadores, pois propõe uma reflexão sobre o nosso cotidiano e nossa relação com a criança. Isto é ao meu ver, o apelo da obra de Piaget. Ela vai ao encontro das expectativas de pais e professores preocupados com o desenvolvimento da criança em todos os aspectos da sua personalidade.
Uma série de recomendações consistentes com a teoria de Piaget é apresentada a seguir :
1.) Os pais e professores devem assumir relações de respeito mútuo com as crianças, e
não autoritárias, pelo menos alguma parte do tempo em que permanecem juntos. Os pais podem encorajar as crianças a resolverem problemas por si mesmas e a desenvolverem a autonomia. Pais e professores precisam respeitar as crianças.
2.) Quando a punição às crianças se fizer necessária, ela deve estar baseada na reciprocidade e não na expiação. Por exemplo, o menino que se recusa a arrumar o seu quarto pode ser privado das coisas que estão no quarto. À menina que bate em outras crianças, deve ser negada a interação com outras crianças.
3.) Os professores podem promover a interação social nas salas de aula e encorajar o questionamento e o exame de qualquer problema que pode ser levantado pele criança. Existe valor intelectual em trabalhar com os interesses intelectuais espontâneos da criança e, para o desenvolvimento moral dela, é igualmente valioso lidar com as questões morais espontâneas. Isso cabe também aos pais.
4.) É possível envolver a criança, mesmo a da pré - escola, em discussões de problemas morais. À medida em que ela ouve os argumentos de seus colegas pode experimentar a desequilibraçãocognitiva, que pode conduzir à reorganização de seus conceitos. O conflito cognitivo é necessário para a reestruturação do raciocínio e para o desenvolvimento mental.
5.) Se muitos "educadores" desejassem pensar ao contrário, a responsabilidade, a cooperação e a auto disciplina não podem ser transmitidas à criança autoritáriamente. Tais conceitos devem ser construídos por ela a partir de suas próprias experiências, para o quê as relações de respeito mútuo são essenciais. Pais e professores são os que, em geral, organizam o meio social ao qual a criança se adapta e a partir do qual ela aprende. É discutível a idéia de que a criança pode desenvolver os conceitos de justiça, baseados na cooperação, em um ambiente cujo o sentido de justiça tenha por base apenas a autoridade.
6.) A privação ou punição através do afeto é prejudicial para a criança, pois provoca baixa auto - estima e sentimento de culpa. Por isso não se deve dizer : "Mamãe está TRISTE com você ..." A ameaça usando o afeto é doloroso demais para ela.
A criança com auto - conceito positivo oferece contribuições significativas e valiosas para o grupo e para a própria formação.


Uma palavra final...


Sem auto - estima, difícilmente a criança enfrentará seus aspectos mais desfavoráveis e as eventuais manifestações externas. Já a criança com auto - conceito positivo parece mais ativa; tem facilidade em fazer amigos, tem senso de humor, participa de discusões e projetos, lida melhor com o erro, sente orgulho por contribuir e é mais feliz, confiante, alegre e afetiva.
Neste sentido, os sentimentos devem ser tão bem demonstrados quanto são ensinados. Este é o segredo para um bom começo de vida. Ensinará a criança a enfrentar a vida. O orgulho, quando não é excessivo, contribui para o desenvolvimento da auto - estima.
E convém relembrar que a auto - estima mantém uma estreita relação com a MOTIVAÇÃO ou o interesse da criança.
Maria do Rosário S. de Souza
Psicopedagoga - Campinas /SP
 Postagem publicada em:
http://www.saudevidaonline.com.br/artigo57.htm

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

COMO INTERPRETAR OS DESENHOS DAS CRIANÇAS


O desenho pode ser, na infância, um canal de comunicação da criança e seu mundo exterior

Segundo os psicólogos da Unidade de Desenvolvimento Psicológico e Educativo de San Salvador, por ética, só uma pessoa especializada, como alguns psicólogos, pode interpretar os desenhos, seguindo protocolos estabelecidos para esse fim.
O especialista deve levar em conta a condição biográfica e familiar da pessoa que desenhou, bem como sua história pessoal, que servirá como marco de referência de quem está fazendo o desenho. Além disso, é necessário levar em conta que um desenho é importante, mas não define tudo. É uma expressão de sentimentos e de desejos que podem ajudar a saber, por exemplo, como se sente a criança a respeito da sua família, sua escola, etc.
Desenho infantil
Através dos desenhos das crianças, pode-se observar detalhes que para uma pessoa adulta pode passar despercebido. O desenho pode ser, na infância, um canal de comunicação entre a criança e seu mundo exterior. A primeira porta que a criança abre o seu interior.

Formas de interpretação do desenho infantil

Existem algumas pistas que podem orientar os pais sobre o que diz o desenho do seu filho. No entanto, são puramente orientações. Segundo a especialista canadense, Nicole Bédard, o desenho diz muitas coisas. Exemplos:
Posição do desenho – Todo desenho na parte superior do papel, está relacionado com a cabeça, o intelecto, a imaginação, a curiosidade e o desejo de descobrir coisas novas. A parte inferior do papel nos informa sobre as necessidades físicas e materiais que pode ter a criança. O lado esquerdo indica pensamentos que giram em torno ao passado, enquanto o lado direito, ao futuro. Se o desenho se situa no centro do papel, representa o momento atual.
Dimensões do desenho -  Os desenhos com formas grandes mostram certa segurança, enquanto os de formas pequenas parecem ser feitas por crianças que normalmente precisam de pouco espaço para se expressar. Podem também sugerir uma criança reflexiva, ou com falta de confiança.
Traços do desenho -  Os contínuos, sem interrupções, parecem denotar um espírito dócil, enquanto o apagado ou falhado, pode revelar uma criança um pouco insegura e impulsiva.
A pressão do desenho - Uma boa pressão indica entusiasmo e vontade. Quanto mais forte seja o desenho, mais agressividade existirá, enquanto as mais superficiais demonstra falta de vontade ou fadiga física.
As cores do desenho – O vermelho representa a vida, o ardor, o ativo; o amarelo, a curiosidade e alegria de viver; o laranja, necessidade de contato social e público, impaciência; o azul, a paz e a tranquilidade; o verde, certa maturidade, sensibilidade e intuição; o negro representa o inconsciente; o marrom, a segurança e planejamento. É necessário acrescentar que o desenho de uma só cor, pode denotar preguiça ou falta de motivação. 
Esses tipos de interpretação, são apenas uma pincelada dentro do grande mundo que é o desenho infantil. Não devemos generalizá-los. Cada criança é um mundo, assim como as regras de interpretação do desenho infantil. Se alguma coisa te preocupa no seu filho, e se for necessário, busque um especialista.
Publicação de:http://br.guiainfantil.com


AVISO


Nem todas as imagens no blog são de minha autoria, se uma delas for sua e não quiser que eu a use, entre em contato que coloco os devidos créditos ou retiro.